Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Olhares

passageiros, eternos!

Olhares

passageiros, eternos!

Banco de Jardim

 

 

No banco de jardim,
o tempo se desfaz
e resta entre ruídos
a corola de paz.

No banco de jardim,
a sombra se adelgaça
e entre besouro e concha
de segredo, o anjo passa.

No banco de jardim,
o cosmo se resume
em serena parábola,
impressentido lume.


Carlos Drummond de Andrade

1 comentário

Comentar post